As 9 características do Líder Emergente: O especialista em crises!

A Consciência Sistêmica e as Lições do COVID-19
abril 1, 2020
Exibir tudo

As 9 características do Líder Emergente: O especialista em crises!

As 9 características do Líder Emergente

Isolamento horizontal, sobrecarga do sistema de Saúde, recessão econômica e embates sociopolíticos, as consequências advindas da pandemia do Corona vírus criaram um cenário de alta complexidade, exigindo  de todos nós profunda reflexão e o desenvolvimento de ações consistentes com o propósito de superação e evolução humana.

Nesse contexto a figura do líder é imprescindível para estimular as equipes de trabalho, acolhendo o anseio de seus membros e catalisando suas forças na busca de soluções criativas e inovadoras.

O líder eficaz nesse tipo de contexto é aquele que melhor souber lidar consigo mesmo, com as pessoas a sua volta e com os desafios do ambiente.

Ele reúne capacidades especiais que emergem justamente em ambientes instáveis de desafios extremos, alto nível de exigência e clima de intensos conflitos.

O termo Emergente é aqui empregado para designar as qualificações do líder que emergem em situações de crise, bem como, caracterizar a situação emergencial a ser enfrentada por ele.

Com base na observação do comportamento de alguns lideres especializados em crises listamos aqui algumas das principais características que os definem como Emergentes.

  1. Resposta emocional positiva sob pressão

Independentemente das dores e desconfortos causados pela mudança e dos esforços dispendidos na gestão da crise o Líder Emergente consegue manter-se equilibrado, motivado e focado nos objetivos, envolvendo a sua equipe. É o líder que diante da gravidade da situação tem a sua inteligência emocional testada e comprovada, pois conhece a si mesmo, seus limites e espaços. Mesmo sendo obrigado a reformular estratégias, rotinas e procedimentos ele é capaz de superar frustrações, ressignificar a experiência vivida e seguir em frente de maneira confiante e positiva. Para ele não importa se a “estrada” é acidentada, mas a vontade de alcançar o destino. Por isso, possui alta energia emocional e grande dinamismo em suas ações.

Esse líder possivelmente enfrentou em sua trajetória de vida situações críticas, demonstrado assim toda a sua capacidade de resiliência.

  1. Capacidade de aprender e transmitir conhecimentos a partir das adversidades

Embora seu foco seja o destino de suas ações ele também sabe apreciar a “viagem”, nutrindo-se com o aprendizado que ela lhe proporciona. Sabe dar valor a cada passo do processo, compartilhando os resultados e buscando sempre desenvolver a equipe para que ela se torne cada vez melhor. Muitas vezes ele aprende “apanhando”, “caindo e levantando”, sobretudo em contextos de mudanças radicais com pouca ou nenhuma previsibilidade. Mesmo enfrentando a crise é sempre alguém que se serve dela para ensinar os demais, pois reconhece que o conhecimento está no centro do negócio, juntamente com as pessoas.

  1. Capacidade de Aglutinação/sociabilização

O Líder Emergente importa-se verdadeiramente com as pessoas e estabelece com elas uma relação saudável, baseada em transparência, respeito mútuo, confiança e consideração positiva. Ele procura agir de forma a apoiar e a promover cada um dos membros da equipe. Por isso, quando precisa conscientizá-los sobre a necessidade de melhorias é também respeitado, acatado e apoiado. Além disso, sabe como elevar o moral do grupo quando percebe qualquer sinal de queda na energia, agindo muitas vezes como mediador de conflitos. Dessa forma, ele constitui um vinculo sólido, buscando sempre obter a melhor resposta do grupo em face das exigências do trabalho e demandas emergenciais do meio.

O Líder Emergente reconhece o seu papel e o papel dos seus liderados e não os mistura. Consegue transitar pela energia do grupo sem ser contaminado por ela, mantendo-se autocentrado. Ele sabe estabelecer um posicionamento adequado em relação aos liderados, conhecendo a necessidade e o perfil de cada um. Por isso, é capaz de organizar e conduzir com maestria as habilidades e competências de sua equipe de maneira eficiente e produtiva.

  1. Autocuidado e Autodesenvolvimento contínuo

Consciente de suas necessidades pessoais o Líder Emergente sabe também que precisa se cuidar e continuar se desenvolvendo para cuidar da sua equipe e gerenciar bem os processos. Por isso, reconhece a importância em manter sua qualidade de vida, aprimorar suas habilidades e desenvolver novas competências. Ao adotar uma agenda em função desse objetivo ele atua de maneira auto responsável, consciente que não poderá inspirar sua equipe se não praticar aquilo que diz.

  1. Capacidade de Priorização

Estamos até aqui falando de competências humanas e não de um semi-deus ou semi-deusa. Reconhecendo suas limitações e maximizando suas ações no tempo, o Líder Emergente faz suas escolhas, direcionando seus esforços e os esforços de sua equipe para a realização daquilo que é essencial em meio a tantas tarefas. Nesse sentido é capaz de perceber o que é mais importante e quando precisa ser feito. Além disso, muitas vezes a prioridade está relacionada a uma oportunidade repentina que ao surgir exige uma atenção especial e um tratamento eficiente em virtude de suas consequências.

  1. Intuição e percepção aguçada do ambiente

Uma das características mais emblemáticas do Líder Emergente é a sua capacidade de enxergar aquilo que a maioria não enxerga. Isso vale tanto para encontrar caminhos novos como determinar uma nova forma de caminhar. Além disso, essa capacidade pode ajudar o líder a reconhecer talentos nos colaboradores e desenvolver com eles atividades de grande valor estratégico.

  1. Comunicação clara e fluida

A comunicação do líder não pode deixar dúvidas, criando ambiguidade ou deixando lacunas na mente de seus liderados. Se ele não tem certeza sobre algo não deve fazer conjecturas, pois o que precisa ficar claro para as pessoas é o passo a ser dado hoje, ainda que ele (líder) possa enxergar mais dois ou três adiante. Nessa comunicação deve ser estabelecido o que, como, por que e quando algo deve ser feito. É através do vinculo estabelecido com a equipe, do conhecimento do líder e da comunicação assertiva que ele será capaz de obter maior engajamento de seus colaboradores.

  1. Visão Sistêmica e Inovação

A capacidade de enxergar o todo, reconhecendo a interdependência das partes, possibilita ao líder ampliar sua visão e desenhar planos de ação mais criativos e inovadores, atuando melhor no presente com foco no futuro. Quanto mais variáveis ele considera no processo, mais completo e consistente ele se torna. Para isso, o Líder Emergente faz o exercício de vir para dentro de si e olhar para fora e também o exercício reverso, vindo para fora e olhando para si mesmo nesse contexto, observando seus movimentos individuais e coletivos. Como tem uma predileção pela mudança ele utiliza constantemente o feedback, buscando sempre a participação dos demais para produzir novas ideias e criar soluções diferentes.

  1. Agilidade e rapidez na execução

“Se quisermos ir mais rápido devemos ir só, mas se quisermos ir mais longe devemos ir acompanhados”. Esse pensamento aqui funciona um pouco diferente. O Líder Emergente é alguém que deseja e precisa ir junto com os outros. Mas, como tem a percepção correta do “timing” das coisas, consegue também “puxar” seus colaboradores para aumentar o ritmo do passo. Para isso ele estimula e treina a equipe, desenvolvendo tanto a velocidade quanto a resistência para ir mais longe e o mais rápido possível.

Por mais que nos pareça um desafio quase impossível, de alguma forma todos nós, mais ou menos estamos sendo instigados a desenvolver essas características neste momento. Mesmo que esse perfil possua habilidades e competências bastante especializadas que envolvem uma estrutura de personalidade constituída desde muito cedo.

Entretanto, todos nós possuímos certa plasticidade que na interação com as circunstancias, juntamente com as nossas necessidades poderão nos oferecer a possibilidade de realizar mudanças surpreendentes. E isso implica no aprimoramento das habilidades usuais de liderança e no desenvolvimento das novas capacidades exigidas pelo contexto extremo da crise.

Sabemos que a vida em nenhum aspecto é algo linear e completamente controlável. Por isso, no contexto da crise muitos líderes poderão se tornar Lideres Emergentes se aceitarem e conseguirem aproveitar as oportunidades que ela lhes oferece.

Assim, em meio a esses mares bravios poderemos de fato, nos tornar os melhores “marinheiros” que podemos ser.


*Fernando Ab. Gonçalves – Psicólogo, Master Coach e Consultor Sistêmico