Leis Sistêmicas – 2. A Hierarquia
abril 19, 2017
Constelação Sistêmica e Realização Profissional
abril 19, 2017
Exibir tudo

Leis Sistêmicas – 1. O Pertencimento

Leis Sistêmicas – 1. O Pertencimento

RESUMO: As Leis Sistêmicas, chamadas por Bert Hellinger de Ordens do Amor exercem papel fundamental no equilíbrio e manutenção do sistema familiar. Essas Ordens são compostas por três Leis: Hierarquia; Pertencimento e Equilíbrio de Troca. Neste artigo falaremos sobre a segunda Lei, a do Pertencimento ou Pertinência.
Pertencer é antes de tudo um sentimento natural, uma necessidade de qualquer ser humano.
Cada pessoa que nasce ou é vinculada a um sistema, necessita ser reconhecida como membro integrante e respeitada no seu lugar e papel dentro desse mesmo sistema.
No Sistema Familiar os membros são únicos e todos têm o direito de pertencer. Isso equivale dizer que ninguém pode ser excluído não importando suas características, dificuldades ou virtudes pessoais. Todos são importantes para o Sistema.
Quando ocorre uma exclusão no sistema familiar acontece um desequilíbrio. Essa situação passa a ser vivida por um descendente, sem que necessariamente ele tenha conhecimento ou afinidade com o antepassado excluído.
Em uma das constelações em nosso workshop, um casal trouxe um problema de comportamento vivido por seu filho menor. Tal comportamento, segundo relato dos  pais, era de grande agitação, dificuldade de concentração, tendo que tomar medicamento para ir à escola, pois tinha um diagnóstico de TDA (Distúrbio do Déficit de Atenção). Quando abrimos a Constelação percebemos que o menino não ocupava um lugar, movimentava-se de um lado para outro e tinha um olhar perdido, como se estivesse procurando algo ou alguém. Quando então incluímos uma pessoa na constelação houve um movimento do garoto em direção a essa pessoa, acalmando de imediato sua agitação.
Ao questionarmos os pais sobre quem seria essa pessoa, o pai relata que tivera um relacionamento antes do casamento e desse relacionamento, nasceu um filho, que ele como pai apenas pagava a pensão mas, nunca o assumira, deixando-o excluído.
O filho gerado no casamento estava profundamente ligado a esse irmão excluído e com seu distúrbio de comportamento sinalizava uma situação de desequilíbrio no sistema familiar.
Assim, já que o primeiro filho não era reconhecido pelo pai, ou seja, não havia um lugar para ele, também o filho mais novo sentia-se sem lugar.
Muitas vezes, descendentes se apresentam de forma a viver como seus antepassados ou irmão excluídos, rompendo com a família e vivendo separado dela. Um grande exemplo disso são filhos que saíram de casa e nunca mais encontraram ou sequer falaram com seus pais ou outros familiares.
Muitas pessoas podem estar vivendo como seus bisavós, avós, pais, tios, irmãos ou mesmo como ex-cônjuges ou relacionamentos afetivos significativos de seus pais. Por exemplo, um tio que fora rejeitado por ser alcoólatra ou por ser portador de alguma patologia física ou distúrbio mental; uma tia ou outro parente que tenha casado com alguém cujos pais não aprovavam e, por isso, foram banidos da família.
Filhos rejeitados ou não incluídos como o que ocorre em função de abortos provocados ou espontâneos, também podem gerar consequências sistêmicas. Os filhos abortados precisam ser incluídos ao número total de filhos, mesmo que não tenham nascido.
Nos casos de separação conjugal, as pessoas envolvidas têm todo o direito de sair de um relacionamento, mas o mais importante é como elas fazem isso. Se numa separação uma pessoa simplesmente descarta ou excluí a outra, mostrando desrespeito, isso pode provocar desequilíbrios, manifestando-se através de dificuldades num próximo relacionamento afetivo da pessoa que excluiu ou através do comportamento ou sintoma físico de um filho do segundo casamento dessa pessoa.
Outra situação de desequilíbrio por exclusão pode se manifestar através de doenças graves como câncer ou outras enfermidades degenerativas. Nesses casos identificamos que a pessoa enredada acaba seguindo o destino da pessoa excluída.
Na empresa, quando alguém não foi devidamente reconhecido como pertencendo ao sistema organizacional ou sofreu alguma injustiça por parte da empresa contratante, essa poderá sofrer consequências danosas, tais como grande dificuldade na contratação de um novo profissional, desarmonia no clima organizacional, queda na produção, evasão de clientes e até prejuízos financeiros. Isso também pode acontecer numa sociedade onde um dos sócios prejudicou severamente o outro. Além disso, tanto no caso da empresa, quanto no da sociedade, algum familiar das pessoas envolvidas poderá apresentar sintomas desse desequilíbrio, sofrendo as consequências no lugar da pessoa que prejudicou, ou vivendo como a pessoa prejudicada ou ainda, seguindo o seu destino.
Em todos os casos em que há exclusão no sistema alguém poderá representar essa pessoa excluída de alguma forma, manifestando algum tipo de sintoma ou comportamento. E isso acontece com a finalidade de reparar uma injustiça ou falta e assim, restabelecer o equilíbrio sistêmico.
Questões que podem envolver a Lei do Pertencimento:
1. Alguém em sua família foi excluído ou não incluído, independentemente do motivo?
2.  Você identifica alguns sintomas comportamentais em você ou em alguém da sua família tais como: déficit de atenção, depressão, síndrome do pânico, angústia de separação ou alguma doença física degenerativa?
3. Você percebe em você ou em alguém de sua família, uma sensação de que falta alguém?
4. Você constantemente começa algo e desiste, tem muitas dúvidas sobre o que fazer e dificuldade em escolher um caminho a seguir?
5. Percebe-se com frequência sentindo-se sem um lugar que seja seu ou uma sensação  de não conseguir se realizar em nada na vida?
6.   Você, seus pais ou avós tiveram filhos abortados?
7. Você ou algum de seus antepassados prejudicou ou foi prejudicado, excluiu ou deixou de reconhecer com justiça alguém em seu ambiente de trabalho ou numa sociedade?
Sobre os autores:
LILIAN TESCAROLLI – Mestre em Psicologia pela USP-SP, Psicóloga Clínica pela Universidade São Marcos,Especialista em Psicologia Junguiana e Psicoterapia Corporal-Cinesiologia pelo Instituto Sedes Sapientiae-SP, Professora Universitária desde 1996 (SANTA CASA-SP; FGV-SP; UNIBAN; UMC), Especialista em Orientação Profissional e de Carreira, Formada pelo Pathwork® do Brasil, Formação em Constelações Sistêmicas – Renato Shaan Bertate (Brasil), Guni-Leila Baxa (Áustria), e Formação Internacional – Conexão Sistêmica.
FERNANDO AB. GONÇALVES – Psicólogo Clínico e Organizacional formado pela UnB-DF, Especialista em Psico-Oncologia pelo Núcleo de Ensino e Pesquisa em Psico-Oncologia, Formação em Administração de Recursos Humanos pela FGV-SP, Formação em Gerontologia Social pelo Instituto Sedes Sapientiae-SP,Formado pela Escola Dinâmica Energética do Psiquismo – DEP-SP, Master Coach Senior pelo Behavioral Coaching Institute –  EUA, Formação em Constelações Sistêmicas Familiares e Organizacionais – Renato Shan Bertrate (Brasil), Guni-Leila Baxa (Áustria), Christine Essen (Áustria), Karin Schöeber (Áustria), Svenja Wachter (Alemanha).

Você quer fazer uma Constelação Individual On-line?

Envie uma mensagem solicitando mais informações.