Onde estão seus balões?
abril 19, 2017
Leis Sistêmicas – 3. Dar e Receber
abril 19, 2017
Exibir tudo

Constelações Sistêmicas

Constelações Sistêmicas

“Surpreendente e profundo, esse trabalho transformou minha vida de uma maneira que eu jamais teria imaginado!” Estas foram as palavras de uma senhora após sua experiência com o trabalho realizado em nosso workshop.
Há mais de 20 anos atuando como profissionais da Saúde e como consultores em desenvolvimento de pessoas e empresas temos presenciado, nos últimos tempos, transformações aceleradas e profundas capazes de surpreender os padrões mentais da lógica humana.
Isso porque, a dimensão inconsciente que perpassa nossos comportamentos e relacionamentos nunca foi tão explorada, fazendo-se revelar a olhos nus e de maneira incontestável.
Milhares de pessoas em todo o mundo que, exaustivamente buscaram compreender a causa de suas dificuldades como, desvios de comportamento, pânico, traumas, depressão, conflitos familiares e no trabalho, doenças físicas, insucesso financeiro e profissional, sem obterem explicação e nem mudanças, têm agora a possibilidade de começar uma nova jornada em suas vidas.
Graças a uma poderosa metodologia de trabalho que envolve diagnóstico e busca de solução, tem sido possível dizer: sim, existe uma nova oportunidade de mudanças e conquistas!
Esse trabalho se alicerça numa visão mais abrangente do ser humano, ultrapassando a visão individualista que por muito tempo influenciou diferentes abordagens de tratamento e desenvolvimento humano.
Essa metodologia é chamada de Constelação Sistêmica, criada por Bert Hellinger, psicoterapeuta alemão nascido em 1925. Os estudos baseados na sua profunda observação sobre as famílias e outros sistemas humanos, conduziu-o a constatação de que todo sistema é orientado e mantido por leis ou regras, chamadas por Hellinger de Ordens do Amor, como a Ordem de Chegada (Hierarquia), o Pertencimento e a Ordem do Dar e Tomar (Equilíbrio de Troca).
Quando essas ordens são infringidas ou sofrem algum tipo de perturbação, o sistema, por intermédio de suas partes, busca restabelecer o equilíbrio. A desordem gera enredamento nos indivíduos que, através de um processo totalmente inconsciente, ficam aprisionados.
Muitas vezes, uma pessoa apresenta uma doença grave ou um distúrbio de comportamento ou mesmo uma dificuldade em prosperar financeiramente ou ainda problemas nas relações afetivas, sem explicação ou causa definida. Esses acontecimentos nos remetem a vínculos sistêmicos e a possíveis perturbações das Ordens. Nesse caso os indivíduos enredados expressaram aquilo que Hellinger chamou de amor infantil, seguindo o exemplo, o destino ou ainda ocupando o lugar de outros membros da família que sofreram ou promoveram tais perturbações.
Todo sistema, assim como a família, é composto por elementos ou membros que interagem, convivem e trocam, tendo em vista um determinado propósito ou fim.
Somos orientados a cuidar e a manter o equilíbrio do sistema para que a sua finalidade seja preservada e cada indivíduo naturalmente possa também se beneficiar com isso. Nesse sentido, todos nós estamos de alguma forma, a serviço do nosso sistema que por sua vez nos oferece proteção, mas também não poupa ninguém das consequências das atitudes cometidas contra o seu equilíbrio.
Acontecimentos como abortos, exclusões de outros membros, separações conjugais desrespeitosas, assassinatos, injustiças variadas ou prejuízos financeiros causados a terceiros, beneficiamentos indevidos, desrespeito a quem chegou primeiro na família ou na empresa, estão entre as principais causas de desequilíbrio e enredamento sistêmicos.
Para reparar esses desequilíbrios e ajudar o sistema a restabelecer o fluxo da vida alguns membros se mostram mais sensíveis e dispostos a consertar a situação.
Sem perceberem, eles fazem esse movimento de uma forma inadequada sacrificando sua própria vida e, muitas vezes, desrespeitando o destino daqueles que tentam salvar.
A Constelação trabalhará justamente os vínculos afetivos entre as pessoas de uma família, envolvendo várias gerações cujas relações tiveram implicações significativas na vida dos indivíduos ao logo da sua história. Essa técnica possibilita trazer à tona dinâmicas ocultas e suas desordens, bem como as soluções para o restabelecimento do equilíbrio e fluxo da vida.
Além da família, outros tipos de vínculos entre as pessoas também podem ser trabalhados em diferentes grupos, instituições e organizações como: empresas, escolas, igrejas, clubes, sindicatos, associações de classes, partidos políticos e tantos outros.
Apresentamos a você agora, uma lista que poderá auxiliá-lo(a) a reconhecer se o seu problema ou dificuldade tem origem sistêmica.
Identifique se algum acontecimento abaixo esteve presente na família dos seus pais, avós ou até mesmo na dos seus bisavós:
 1. Morte precoce: de alguém muito jovem ou que tenha deixado filhos pequenos menores de 7 anos; doença e morte de mães durante ou após o parto (até mesmo de bisavós).
2. Suicídio ou tentativa de suicídio.
3. Crimes, principalmente assassinatos.
4. Pessoas enganadas no que diz respeito à sua herança.
5. Membros caluniados ou banidos, repudiados, condenados ou desonrados.
6. Abortos espontâneos ou provocados.
7. Filhos fora do casamento, não assumidos ou abandonados.
8. Adoções.
9. Doenças ou deficiências importantes (doenças degenerativas, invalidez, esquizofrenia, alcoolismo e drogas).
10. Imigrantes.
11. Severas restrições materiais e até fome.
12. Abuso ou violência sexual.
13. Sociedades ou dissoluções societárias com prejuízos de uma das partes em benefício da outra.
14. Injustiça, dano financeiro, emocional ou moral praticado por empregador contra empregado.
15. Relacionamentos afetivos importantes dos pais anteriores ou concomitantes ao casamento.
16. Separações conjugais desrespeitosas e dolorosas, beneficiando uma das partes em detrimento à outra.
17. Padrões repetitivos de algum acontecimento/comportamento negativo em diferentes gerações.
Caso você tenha identificado algum desses itens na sua história familiar, há grande chance do seu problema ou dificuldade  ser de origem sistêmica.
Em nossa próxima postagem  falaremos sobre a primeira lei ou Ordem sistêmica, a Hierarquia ou Ordem de Chegada e compreender melhor os enredamentos gerados a partir da sua perturbação.
Não percam!
Sobre os Autores
LILIAN TESCAROLLI – Mestre em Psicologia pela USP-SP, Psicóloga Clínica pela Universidade São Marcos,Especialista em Psicologia Junguiana e Psicoterapia Corporal-Cinesiologia pelo Instituto Sedes Sapientiae-SP, Professora Universitária desde 1996 (SANTA CASA-SP; FGV-SP; UNIBAN; UMC), Especialista em Orientação Profissional e de Carreira, Formada pelo Pathwork® do Brasil, Formação em Constelações Sistêmicas – Renato Shaan Bertate (Brasil), Guni-Leila Baxa (Áustria), e Formação Internacional – Conexão Sistêmica.
FERNANDO GONÇALVES –  Psicólogo Clínico e Organizacional formado pela UnB-DF, Especialista em Psico-Oncologia pelo Núcleo de Ensino e Pesquisa em Psico-Oncologia, Formação em Administração de Recursos Humanos pela FGV-SP, Formação em Gerontologia Social pelo Instituto Sedes Sapientiae-SP,Formado pela Escola Dinâmica Energética do Psiquismo – DEP-SP, Master Coach Senior pelo Behavioral Coaching Institute –  EUA, Formação em Constelações Sistêmicas Familiares e Organizacionais – Renato Shan Bertrate (Brasil), Guni-Leila Baxa (Áustria), Christine Essen (Áustria), Karin Schöeber (Áustria), Svenja Wachter (Alemanha).